Fale conosco pelo WhatsApp

Diferença entre Preenchimento e Harmonização Facial

Mulher passando pelo procedimento de harmonização facial

Preenchimento e harmonização facial são duas técnicas de rejuvenescimento pouco invasivas, mas que se apresentam de maneiras diferentes.

O preenchimento ajuda a melhorar o aspecto das linhas de expressão e rugas como o bigode chinês, por exemplo, enquanto a harmonização facial modifica de forma natural as proporções da face. Nos dois casos, a expectativa é proporcionar um rosto de aspecto jovial e harmônico.

Para esclarecer todas as dúvidas sobre a diferença entre preenchimento e harmonização facial, o dermatologista Dr. Daniel Stellin detalhou aqui algumas informações específicas sobre cada uma das técnicas. Confira!

Qual a proposta do preenchimento facial?

O preenchimento facial tem como intuito restaurar o volume perdido devido ao processo de envelhecimento natural da pele. No decorrer dos anos, a produção de colágeno e elastina — componentes responsáveis pela sustentação da pele — diminui. A partir dos 30 anos de idade, a ação natural do tempo se torna mais evidente, resultando no envelhecimento cutâneo.

O objetivo do tratamento com preenchimento facial é restaurar essas estruturas faciais que cederam, perderam volume e apresentaram redução da tonicidade com o passar dos anos, acentuando os sulcos naturais da pele. O tratamento é feito com ácido hialurônico e costuma ser combinado ao protocolo com toxina botulínica para melhora dos resultados.

Nesses casos, o ácido hialurônico preenche os vincos formados pelas linhas de expressão e as rugas, principalmente aqueles que formam sulcos na face. Em geral, o mais comum e incômodo deles é o bigode chinês, linha que vai do canto das narinas às extremidades dos lábios.

A toxina botulínica é responsável por causar uma paralisia parcial na musculatura que impede o surgimento de novas marcas no rosto. Destaca-se que o resultado é natural e visa apenas a amenização das rugas dinâmicas da face, como os pés de galinha na lateral dos olhos.

Como funciona a harmonização facial?

É possível afirmar que a harmonização facial é a evolução do preenchimento. O tratamento tem o intuito de melhorar pequenas imperfeições no rosto do paciente ao usar o ácido hialurônico e demais técnicas em pontos estratégicos da face.

No tratamento de harmonização facial, é possível corrigir e amenizar insatisfações em diferentes áreas da face, tais como: maçãs do rosto, região malar, lábios, nariz (rinomodelação), queixo, região das têmporas e sobrancelhas. Outra função interessante do procedimento é promover o efeito de elevação das estruturas da face (lifting), de forma não invasiva, segura e de rápida recuperação.

Na harmonização facial, é feita uma avaliação minuciosa de todo o rosto do paciente, medindo as proporções do terço superior, médio e inferior e considerando o formato do rosto do paciente para obtenção de um melhor resultado.

Com base nessa identificação, são feitas aplicações pontuais de preenchedores, permitindo a melhora da simetria facial e sempre respeitando fatores como a etnia do paciente e impondo limites para que o resultado obtido seja bastante natural e satisfatório.

A intenção é aperfeiçoar pontos da face, e não modificá-los por completo — e é justamente devido a essa intenção que a técnica é denominada de harmonização facial.

Técnicas que podem ser realizadas na harmonização

Uma diferença essencial entre preenchimento e harmonização facial é que essa última engloba outros procedimentos estéticos, visando corrigir as insatisfações do paciente e entregar um resultado realmente harmônico.

Dessa forma, além do uso de preenchedores no processo, o dermatologista avaliará a necessidade de associar outros tratamentos, como:

  • Bioestimuladores de colágeno: consiste em uma técnica que visa aumentar a produção de colágeno a partir da aplicação subcutânea de substâncias comprovadamente eficazes para esse fim. Com isso, o paciente terá maior firmeza na pele, ajudando na correção da flacidez;
  • Fios de sustentação: trata-se de um procedimento um pouco mais invasivo, mas que ainda pode ser realizado no consultório do dermatologista. Nessa técnica, o profissional utiliza fios de ouro (ou outros materiais) para suspender a pele, promovendo efeito lifting imediato e auxiliando na produção de colágeno e elastina no médio prazo;
  • Toxina botulínica: o protocolo de toxina botulínica também pode ser usado na harmonização facial quando a insatisfação do paciente está relacionada com a existência de rugas dinâmicas. Essa conduta ameniza os sinais e ajuda a prevenir a intensificação de linhas de expressão acentuadas;
  • Peeling: esse procedimento estético pode ser indicado na harmonização facial quando a insatisfação do paciente está associada a manchas, melasmas ou mesmo cicatrizes de acne. A descamação das camadas mais superficiais da cútis e a renovação celular garantem a amenização desses sinais; além da correção de poros dilatados e oleosidade excessiva;
  • MD Codes: tratamento mais moderno e que pode ser considerado uma evolução da metodologia de preenchimento facial. Ele utiliza o preenchimento com ácido hialurônico em pontos estratégicos da face para garantir uma harmonização da face, levando a uma aparência mais jovial e natural.

Portanto, uma das principais diferenças entre preenchimento e harmonização facial é que esse último tratamento permite atender diferentes demandas dos pacientes em relação à estética da face.

Qual das técnicas dura mais tempo?

O tempo de duração do preenchimento e da harmonização facial dependerá da característica do produto aplicado, da região da aplicação e de fatores intrínsecos do paciente. Além do ácido hialurônico, outros preenchedores sintéticos podem ser usados nas técnicas, influenciando assim a durabilidade do tratamento.

O que se pode afirmar é uma média de tempo até que o preenchedor seja totalmente absorvido pelo organismo, sendo esse tempo de 12 a 18 meses.

No caso da harmonização facial, a depender da técnica e do produto usado, os resultados podem permanecer entre 12 e 48 meses.

Qual a técnica mais adequada para mim?

Só o dermatologista pode responder a esse questionamento. É necessária uma consulta e avaliação clínica do paciente, das estruturas faciais e da pele antes de indicar qualquer um dos tratamentos, seja o preenchimento ou harmonização facial.

No caso da harmonização facial, as demandas que podem ser atendidas incluem:

  • Excesso rugas e linhas de expressão;
  • Sulcos faciais, incluindo o bigode chinês;
  • Estética nasal em desarmonia com a face;
  • Perda de volume facial;

Já no caso do preenchimento, o tratamento permite amenizar sulcos faciais e a perda de volume facial. Principalmente quando associado com aplicação de toxina botulínica, este procedimento permite ainda amenizar rugas e linhas de expressão.

Quanto custa o preenchimento? E a harmonização?

O valor cobrado em ambos os casos depende da quantidade de produto a ser administrado, ou seja, o número de ampolas ou unidades manuseadas no rosto do paciente. É importante evidenciar a necessidade de avaliação antes da indicação e até para ter o valor correto do tratamento.

Essas foram algumas informações sobre a diferença entre o preenchimento e harmonização facial. Caso ainda esteja com dúvidas, entre em contato e agende uma consulta com o Dr. Daniel Stellin!

Fontes:

Sociedade Brasileira de Dermatologia;

Clínica de Dermatologia – Dr. Daniel Stellin.

Dr. Daniel Stellin | CRM: 111.635

Dr. Daniel Stellin é um dermatologista graduado pela Faculdade de Medicina do ABC-São Paulo e pós-graduado em Fisiologia Hormonal Aplicada. Detém os títulos de Especialista em Dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia, Especialista em Infectologia pelo Hospital do Servidor Público Estadual e Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.