Como o Intestino afeta a Saúde Mental?

Início » Como o Intestino afeta a Saúde Mental?

intestino

Há quem acredite que o intestino tem como única função digerir e eliminar os resíduos dos alimentos que ingerimos. No entanto, as funções dele são bem mais complexas . Saiba que um problema nessa parte do corpo pode até mesmo afetar a saúde mental do indivíduo.

Duvida? Segundo a medicina chinesa, o órgão funciona como um segundo cérebro, tendo como primeira função a absorção de água e nutrientes. Em segundo lugar, ele atua na forma como lidamos com as nossas emoções.

Inclusive, quando não eliminamos toxinas corretamente ou estamos lidando com prisão de ventre, ou o oposto dela, isso pode estar ligado ao estado da saúde mental.

Tanto que, a síndrome do intestino irritável é afetada por fatores emocionais, como o estresse e a ansiedade.

A produção da serotonina

A serotonina, como você deve saber, é um neurotransmissor responsável pela qualidade do sono, pelo humor e até mesmo pela sensação de saciedade.

O que você talvez não saiba é que a maior parte da produção da serotonina ocorre no intestino. Então, se ele não vai bem e não está funcionando corretamente, esse neurotransmissor pode não estar sendo produzido em quantidade suficiente.

O resultado na queda da produção de serotonina são noites de sono não satisfatórias, variações de humor e aumento excessivo de apetite. A partir daí, surgem outras doenças relacionadas à mente, como a ansiedade e o estresse.

E, então, temos um círculo vicioso. O órgão abordado neste artigo não trabalha bem e não produz quantidade suficiente de serotonina. Isso afeta o cérebro e resulta em estresse ou ansiedade, as quais voltam a afetar o funcionamento do primeiro.

A flora intestinal também interfere na saúde mental

Estudos recentes mostram que a flora intestinal ( microbiota ) – as famosas bactérias que vivem na área em questão – não servem apenas para ajudar na digestão. A quantidade e a forma como ela atua nessa parte do corpo podem ser decisivas para o aparecimento – e o tratamento – de algumas doenças, como: a obesidade, a psoríase, o câncer e a ansiedade.

Inclusive, a flora intestinal é capaz até mesmo de influenciar o humor de uma pessoa. Ou seja, o mau humor e a indisposição para as atividades diárias podem estar ligados a problemas no intestino.

Como funciona o ciclo do mau funcionamento do intestino

Tudo começa com o desequilíbrio da flora intestinal. As bactérias boas não prejudicam o nosso organismo. O problema surge quando bactérias ruins começam a ganhar espaço e se proliferam na área em questão. Alguns fatores que promovem esse desequilíbrio são : ingestão excessiva de antibióticos e anti-inflamatórios, hábitos alimentares ruins entre outros fatores .

O resultado desse aumento de bactérias nocivas é uma mudança das substâncias que deveriam ser fabricadas pela flora intestinal.

O cérebro, então, passa a receber, através do sangue, mensagens que afetam o trabalho dos neurônios. O corpo entende que precisa liberar as células de defesa e atacar aquilo que não está certo.

Assim, o sistema imunológico reage contra as bactérias ruins causando inflamação na região. A partir disso, há queda na produção da serotonina, e o corpo reage com mudanças de humor e até mesmo dificuldade de concentração.

Como você pode ver, intestino e cérebro trabalham em conjunto. Então, se um não vai bem, o outro, consequentemente, também não.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder os seus comentários sobre esse assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como fisiologista hormonal e dermatologista em São Paulo.

Postado por Dr. Daniel Stellin | CRM: 111.635

Dr. Daniel Stellin é um dermatologista graduado pela Faculdade de Medicina do ABC-São Paulo e pós-graduado em Fisiologia Hormonal Aplicada. Detém os títulos de Especialista em Dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia, Especialista em Infectologia pelo Hospital do Servidor Público Estadual e Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.