Fale conosco pelo WhatsApp

Bioestimulação de colágeno

Imagem meramente ilustrativa (Banco de imagens: Shutterstock)

Procedimento consiste na aplicação de injeções contendo substâncias que estimulam a produção de colágeno e promovem o rejuvenescimento da pele

A bioestimulação de colágeno é um tratamento da dermatologia estética que utiliza produtos injetáveis para estimular a produção de novo colágeno e promover maior sustentação à pele. Como resultado, o aspecto cutâneo do paciente apresenta uma significativa melhora — que inclui suavização dos sinais de envelhecimento e marcas de expressão, bem como pele mais firme e com brilho na medida certa.

Os resultados alcançados a partir da bioestimulação de colágeno são naturais e progressivos, uma vez que são utilizadas substâncias injetáveis totalmente compatíveis ao organismo. O tratamento pode ser realizado em consultório médico, sem a necessidade de internação hospitalar ou sedação, permitindo que o paciente retome suas atividades prontamente. Saiba mais a respeito deste procedimento!

O que é colágeno e qual sua importância para a pele?

Presente em tecidos da pele, tendões, cabelos, ossos e unhas, o colágeno é uma proteína essencial para manter as células firmes e unidas, como uma rede, garantindo tanto a saúde como o funcionamento adequado dessas estruturas. Esta substância é produzida naturalmente pelo organismo humano, mas a tendência é que o corpo vá gradualmente perdendo sua capacidade de fabricar colágeno novo, além do processo de degradação acelerado apresentado no envelhecimento.

Como consequência desses fatores, a pele começa a apresentar sinais de envelhecimento como flacidez, rugas, linhas de expressão e perda do viço. O tratamento com bioestimulação de colágeno visa justamente combater e prevenir esta situação, estimulando a produção desta substância e promovendo o rejuvenescimento da área cujo procedimento foi realizado.

Como funciona a bioestimulação de colágeno?

O tratamento consiste na aplicação de substâncias particuladas injetáveis em áreas específicas da pele que apresentam sinais de envelhecimento e flacidez. Esses bioestimuladores desencadeiam uma resposta inflamatória controlada na derme do paciente, fazendo com que as células responsáveis pela produção de colágeno sejam ativadas e produzam mais desta proteína, fazendo a pele tornar-se mais firme e densa.

As injeções contendo substâncias bioestimuladoras promovem uma reestruturação das fibras de colágeno, auxiliando na recuperação sutil do volume facial e melhorando efetivamente a  flacidez na região em que o tratamento foi aplicado. Para que este procedimento seja confortável ao paciente, a bioestimulação de colágeno é realizada através de cânulas, que minimizam inchaço e hematomas, além de serem confortáveis em relação à dor.

O tratamento com substâncias bioestimuladoras é executado com mais frequência no rosto, colo e pescoço, mas também pode ser indicado para regiões como mãos, abdome, nádegas, parte interna dos braços e coxas. Dependendo dos sinais de envelhecimento apresentados pelo paciente, a bioestimulação de colágeno também pode ser utilizada para:

  • Reduzir a flacidez do pescoço;
  • Corrigir perda de volume da fossa temporal;
  • Amenizar rugas nas laterais da face ;
  • Prevenir ou suavizar o “bigode chinês”;
  • Corrigir perda de definição da linha mandibular;
  • Reverter alterações de sustentação cutânea;
  • Promover mais firmeza à pele do pescoço e colo.

Bioestimulação de colágeno: quantas aplicações são necessárias?

A resposta ao tratamento de bioestimulação de colágeno varia de acordo com as particularidades de cada paciente e fatores como idade, estilo de vida e demais características do organismo. Em geral, uma média de 2 a 4 sessões, com intervalo de um mês entre elas, são suficientes para que o paciente apresente um resultado significativo no rejuvenescimento de pele.

Apesar disso, a maioria dos pacientes consegue notar resultados desde a primeira aplicação. Os efeitos obtidos a partir da aplicação de bioestimuladores permanecem por aproximadamente 18 a 24 meses na pele do paciente, uma durabilidade considerada bastante longeva para um tratamento dermatológico. Pode ser necessário realizar um booster ( nova sessão) do tratamento após esse período.

Quais são os bioestimuladores de colágeno?

As substâncias mais frequentemente utilizadas em um tratamento de bioestimulação de colágeno são:

  • Ácido polilático;
  • Hidroxiapatita de cálcio;
  • Policaprolactona;
  • Fios de PDO.

A escolha da substância particulada que será aplicada depende diretamente dos objetivos do tratamento e deverá ser apontada pelo dermatologista após análise cuidadosa do caso e identificação das particularidades e necessidades do paciente. Independentemente do produto utilizado, o uso de bioestimuladores não tem como objetivo fazer  preenchimento ou estruturação da face, mas estimular a produção de colágeno.

Como será o resultado da bioestimulação de colágeno?

A principal mudança notada pelos pacientes que se submetem ao tratamento com bioestimuladores é o rejuvenescimento, um efeito alcançado a partir da recuperação sutil do volume facial, redução da flacidez e suavização das rugas e linhas de expressão. O resultado é bastante natural e harmônico, uma vez que esses resultados são alcançados a partir da produção de colágeno, uma substância inerente ao nosso organismo.

Além dos benefícios estéticos, o tratamento pode deixar a pele mais saudável e sedosa, com menos celulites e flacidez. Os efeitos da bioestimulação de colágeno são graduais e duradouros, pois o organismo continua produzindo colágeno por até 6 meses após as sessões do procedimento.

Vale lembrar que este é um tratamento que visa estimular a produção natural de colágeno pelo organismo e, embora seja muito eficiente para suavizar alguns sinais do envelhecimento, a bioestimulação de colágeno não é capaz de interromper os efeitos do tempo sobre a pele. Isso significa que outros cuidados cutâneos devem estar aliados ao tratamento, cabendo ao dermatologista indicar as melhores maneiras de prolongar os efeitos do procedimento.

Possíveis riscos e efeitos colaterais

Uma vez que a bioestimulação de colágeno envolve a administração de substâncias injetáveis, o procedimento é realizado através de uma cânula inserida por pontos estratégicos posicionados de acordo com a área a ser tratada.  Para reduzir o incômodo dos orifícios realizados por agulha para a passagem da cânula, é recomendado que se faça um botão anestésico no local, minimizando o desconforto.

Também é considerado normal que a área tratada apresente inchaço leve nos dias seguintes ao procedimento, essa manifestação desaparece rapidamente e é de simples controle e resolução, especialmente quando o procedimento foi executado por um profissional devidamente habilitado e com experiência no uso de substâncias bioestimuladoras. Para a maioria dos casos, não é necessário adotar muitos cuidados, sendo recomendado apenas evitar esforço físico por cerca de 2 dias, compressas geladas no local se inchaço e evitar piscinas ou saunas nesse período.

O tratamento de bioestimulação de colágeno é contraindicado apenas para pessoas com doenças autoimunes e para pacientes que apresentam inflamação ou infecção na região que será estimulada. Para garantir que não ocorra nenhuma intercorrência no procedimento, é fundamental que o indivíduo seja previamente avaliado pelo dermatologista.

Entre em contato e agende uma consulta com o Dr. Daniel Stellin!

 

Fontes:

Sociedade Brasileira de Dermatologia — Regional São Paulo

Dr. Daniel Stellin

Agende sua consulta

Clínica com tecnologia e humanização para seu tratamento.

ENTRE EM CONTATO