O avanço da medicina estética faz com que surjam, de forma constante, tratamentos que visam o rejuvenescimento e embelezamento da face. Dentre esses protocolos está a harmonização facial, que tem conquistado um número significativo de adeptos.

A harmonização facial consiste na junção de diversos tratamentos faciais resultando na melhoria da qualidade da pele e de suas proporções e simetrias. O protocolo que melhor atende as expectativas dos pacientes é o que utiliza preenchedores, bioestimuladores de colágeno, toxina e fios de sustentação.

É importante salientar que a harmonização facial deve ser feita com base na necessidade do paciente e por profissionais devidamente gabaritados, como um dermatologista, pois envolve o manuseio de produtos que podem resultar em frustração ao paciente. Entenda mais a seguir!

Para que serve a harmonização facial?

A principal função da harmonização facial é ressaltar pontos belos da face e promover correção de locais assimétricos. Para isso, o profissional de medicina estética precisa fazer uma análise criteriosa da face do paciente para identificar as características e traçar o protocolo mais adequado na busca de um resultado de excelência, conservando a aparência natural.

É muito comum imagens de pacientes que se submeteram ao tratamento indicarem uma determinada padronização como, por exemplo, a angulação da mandíbula e a projeção do mento ou queixo.

Entretanto, esse não é o intuito do procedimento de harmonização da face. A intenção é que o procedimento restaure a jovialidade e leveza da face, conservando sua característica primária e proporcionalidade das estruturas, ou seja, torne o paciente mais belo sem que seja possível dizer que ele se submeteu a algum procedimento estético.

Indicação do procedimento estético

É comum a harmonização facial ser indicada a pacientes acima dos 25 anos, idade em que o processo de envelhecimento se mostra mais latente. Nesta idade, a sobrancelha começa a perder o seu arqueamento, o sulco nasogeniano — o popular bigode chinês — passa a ser mais evidente, por exemplo, sendo indicado iniciar os cuidados  para minimizar os efeitos normais do envelhecimento. Porém, o tratamento de harmonização facial é extremamente democrático, sendo indicado a homens e mulheres acima dos 18 anos. Entretanto, é comum esses pacientes chegarem aos consultórios já com um diagnóstico de seu caso, sendo que na maioria das vezes eles estão totalmente equivocados. Exemplificando: o paciente acredita que os lábios estão desalinhados com o restante da face, mas na realidade, é o mento que apresenta pequenas desproporcionalidades com o restante da face. Desta forma, a avaliação técnica junto a um dermatologista indicará o protocolo que melhor trará resultado ao paciente, ao alinhar as expectativas com as reais necessidades. Outras indicações da harmonização facial contemplam a melhoria das seguintes condições:

  • Excesso rugas e linhas de expressão;
  • Bigode chinês;
  • Problemas no sorriso ou dentição;
  • Estética nasal em desarmonia com a face;
  • Perda de volume facial;
  • Flacidez.

Técnicas de harmonização da face

Como já mencionado, a harmonização facial é um conjunto de técnicas que visa a melhoria do aspecto da face e vai desde a limpeza de pele para remoção de impurezas, podendo passar por tratamentos com laser fracionado, até chegar ao uso dos preenchedores e bioestimuladores de colágeno.

Vamos usar como exemplo os protocolos que envolvem o uso de preenchedores, estimuladores de colágeno e a toxina botulínica.

  • Preenchedores: o mais utilizado atualmente é o ácido hialurônico. Por ser um componente presente no organismo, tem mínimo risco de reação adversa e efeito imediato. Com o preenchimento facial com ácido hialurônico é possível dar mais volume aos lábios, projetar as maçãs do rosto (o popular efeito top model), melhorar o aspecto das olheiras, em especial as mais profundas, além de ajudar a preencher as linhas de expressão que se formam na face.
  • Bioestimuladores de colágeno: esse tratamento também age de dentro para fora e colabora na restauração da produção do colágeno, responsável pela sustentação da pele, ou seja, sua firmeza.
  • Fios de sustentação: é um procedimento um pouco mais invasivo, mas feito em consultório. O dermatologista insere na pele fios de ouro (existem outros produtos) que suspendem a pele, promovendo efeito lifting imediato e melhorando todo o aspecto da face do paciente.
  • Toxina botulínica: extremamente conhecida, ela é aliada dos pacientes que querem arquear as sobrancelhas, impedir o surgimento dos pés de galinha e que as expressões faciais colaborem para o surgimento das rugas dinâmicas. Ele costuma ser associado ao preenchimento com ácido hialurônico e é o protocolo de maior indicação em harmonização facial.

Como é feita a harmonização facial?

harmonização facial é feita com a administração de insumos na pele do paciente. Essa aplicação é feita com o auxílio de agulhas bem finas ou microcânulas. O procedimento é indolor e antes da aplicação de qualquer produto, o dermatologista fará marcações dos locais que necessitam da intervenção.

Identificado esses pontos, é comum a administração de anestésicos tópicos para minimizar quaisquer desconfortos que a agulha ou a cânula podem causar durante o procedimento. O profissional ajuda a espalhar o produto após a aplicação com as mãos, o que colabora na distribuição do mesmo e no resultado mais natural possível.

De 30  minutos a no máximo uma hora o paciente sai do consultório com os efeitos da harmonização facial já visíveis. É comum o aparecimento de pontos de inchaço nos locais de aplicação, sendo que eles são minimizados em cinco dias.

Compressas frias ajudam nesse processo. É importante a consulta de retorno ao consultório do dermatologista para que ele possa avaliar os resultados do tratamento e para pequenos retoques.

É comum a utilização de uma quantidade menor de ácido hialurônico ou qualquer outro produto na primeira aplicação. Dessa forma, fica mais fácil identificar pontos que podem ser melhorados e isso ocorre justamente no retoque.

A harmonização facial dura para sempre?

A resposta a esse questionamento é não. Os componentes usados no tratamento de harmonização facial são reabsorvidos pelo organismo. Esse tempo varia de 12 meses até 4 anos, a depender do produto que foi utilizado. Os bioestimuladores costumam ter maior tempo de duração, mas, mesmo assim, não são definitivos.

Ainda tem dúvida acerca da harmonização facial? Agende uma consulta com o Dr. Daniel Stellin e veja como o tratamento pode melhorar a sua autoestima.