Benefícios da dieta mediterrânea

Início » Benefícios da dieta mediterrânea

A alimentação influencia na qualidade de vida e na longevidade. E é em busca desses fatores que muitas pessoas adotam a dieta mediterrânea, que inclui os hábitos alimentares dos países que estão ao redor do mar Mediterrâneo, tais como Portugal, Grécia, algumas regiões da Itália e Turquia.

Esse tipo de dieta prevê o consumo de legumes, azeite de oliva, peixes, castanhas, azeitonas, verduras, grão-de-bico, ervas aromáticas e outros. Nessas populações que vivem ao redor do mar Mediterrâneo, o consumo de açúcar refinado, carnes vermelhas e alimentos industrializados é bastante reduzido.

Benefícios trazidos pela dieta mediterrânea

Diversos estudos já apontaram os benefícios trazidos por essa dieta, que é capaz de melhorar a saúde e diminuir problemas do coração. De acordo com pesquisas da Universidade de Barcelona, a adoção dessa dieta seria capaz de reduzir 30% das mortes por avc, infarto e outras complicações cardiovasculares .

Cientistas da Itália também comprovaram que pessoas com 65 anos ou mais, ao adotarem essa dieta, diminuem em 25% o risco de morte. O estudo foi publicado no British Journal of Nutrition e reuniu dados de pessoas que viviam em uma região da Itália.

Além desses benefícios, esse tipo de alimentação ajuda a prevenir o câncer, a equilibrar os níveis de glicose no sangue, a emagrecer e até a diminuir o risco de doenças cognitivas.

Quais alimentos entram no cardápio?

A dieta mediterrânea é composta por aproximadamente 50% de carboidratos, 15% de proteínas e 35% de gorduras. O consumo de produtos de origem vegetal faz parte da base da alimentação. Azeitonas, uvas e trigo são seus pilares. As frutas cítricas, os legumes e as verduras também são consumidos em grandes quantidades.

Os industrializados não aparecem. Com isso, eliminam-se muitos aditivos químicos presentes nos cardápios mais comuns e que prejudicam a saúde. O excesso de sal e de açúcar também é deixado de lado.

O azeite de oliva faz parte do cardápio mediterrâneo e é a fonte principal fonte de gordura. Ele é consumido puro ou em refogados e cozidos. O produto é rico em ácidos graxos monoinsaturados e em vitamina A, além disso é rico em carotenóides .

É possível incluir produtos de origem animal na dieta?

Os peixes constituem outra importante característica da  dieta, e, como a população do Mediterrâneo vive às margens do mar, o consumo desse alimento é alto. A recomendação é de 3 a 4 porções na semana de sardinha, tilápia ou salmão, assados ou grelhados. Peixe frito está fora de cogitação! A carne vermelha até pode entrar esporadicamente na alimentação.

As castanhas, nozes e amêndoas também estão no cardápio, diariamente. Ricas em nutrientes, elas promovem saciedade e evitam o exagero em outras refeições. No entanto, o consumo  deve ser moderado, devido ao excesso de energia contido nesses alimentos .

Grãos integrais fazem parte das refeições. Feijões, lentilha e grão-de-bico entram para o prato e, para acompanhar, vinho tinto. A bebida possui efeitos antioxidantes e anti-inflamatórios, por conter os flavonóides, principalmente na casca das uvas vermelhas,fator que confere proteção ao coração. Uma taça diária é suficiente para adquirir os nutrientes. Vale acrescentar que o vinho sem álcool é até mais benéfico que a versão tradicional.

Ficou interessado na dieta mediterrânea?

 

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como fisiologista hormonal e dermatologista em São Paulo.

Postado por Dr. Daniel Stellin | CRM: 111.635

Dr. Daniel Stellin é um dermatologista graduado pela Faculdade de Medicina do ABC-São Paulo e pós-graduado em Fisiologia Hormonal Aplicada. Detém os títulos de Especialista em Dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia, Especialista em Infectologia pelo Hospital do Servidor Público Estadual e Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.