Distúrbio do sono e obesidade: entenda a relação

Início » Distúrbio do sono e obesidade: entenda a relação

distúrbio do sono

Dormir bem é indispensável para se ter uma vida saudável. Engana-se quem acredita que, durante o sono, o organismo também repousa. É nesse período que o corpo estimula o sistema imunológico, recupera-se das atividades do dia, restabelece as células lesionadas e recarrega o coração e o sistema cardiovascular para o dia seguinte. O distúrbio do sono  impacta não só a rotina do dia seguinte, mas também a qualidade de vida e a saúde das pessoas.

Toda e qualquer mudança no padrão do sono é considerado um distúrbio, sendo que mais de 100 tipos já foram identificados. Dentre os mais populares, estão:

  • ronco;
  • apneia obstrutiva do sono;
  • sonambulismo;
  • bruxismo;
  • insônia;
  • sonolência;
  • paralisia do sono.

Fases do sono

A mudança de padrão de sono é prejudicial em qualquer fase, pois em cada uma delas o organismo desenvolve uma atividade fisiológica diferente. Confira a seguir quais são as fases do sono.

Fase 1

Sono leve, em que se desperta facilmente. É nesse estágio que acontece a liberação de melatonina, com o objetivo de levar o indivíduo a adormecer.

Fase 2

Aqui, os ritmos cardíacos e respiratórios diminuem, a temperatura corporal baixa e os músculos relaxam. Apesar de o corpo já estar dormindo, a mente continua ativa.

Fase 3

O metabolismo cai, a respiração é leve e o coração bate mais lentamente. É aqui que o corpo se recupera das atividades do dia.

Fase REM

Além de ser a fase em que os sonhos acontecem, é aqui que também ocorrem os picos de batimento cardíaco, pressão arterial e descargas de adrenalina.

Obesidade e distúrbio do sono

Uma noite mal dormida acarreta diversas consequências que afetam o desempenho, a qualidade de vida e a saúde. Estudos científicos mostram que o sono possui atuação direta na prevenção da obesidade.

É que, enquanto estamos dormindo, o organismo produz o maior índice de leptina, hormônio responsável por dar a sensação de saciedade. É também durante esse período que o organismo diminui a produção de grelina, hormônio do apetite. O desequilíbrio desses níveis hormonais é considerado um fator capaz de modificar o padrão da ingestão alimentar e causar irregularidades nutricionais.

Pesquisas mostram também que a perda de sono pode interferir nas escolhas alimentares. Ou seja, dormir mal, além de aumentar o apetite, faz com que o indivíduo opte por alimentos mais calóricos e com alta quantidade de carboidratos e açúcares.

Doenças relacionadas ao distúrbio de sono

Um estudo realizado na Perelman School of Medicine, da Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos, mostrou que indivíduos que possuem algum tipo de distúrbio durante o sono são mais propensos a desenvolverem diabetes, doença arterial coronariana, ataque cardíaco e acidente vascular cerebral (AVC). Quando alguém dorme mal, está propenso a apresentar:

  • obesidade;
  • ansiedade ou estresse;
  • depressão;
  • problemas de crescimento em crianças;
  • problemas de concentração e aprendizagem.

Dormir bem e evitar qualquer distúrbio do sono é um dos pilares para uma boa qualidade de vida. Interferências no sono causam muito mais que cansaço e sonolência no dia seguinte. Essas perturbações podem causar desajustes endócrinos, problemas cardiovasculares e distúrbios como ansiedade e depressão. Dormir é muito mais que descansar o corpo: é colocá-lo em ordem para um novo dia.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como fisiologista hormonal e dermatologista em São Paulo.

CTA para uma entrevista com o Dr. Daniel Stellin

Postado por Dr. Daniel Stellin | CRM: 111.635

Dr. Daniel Stellin é um dermatologista graduado pela Faculdade de Medicina do ABC-São Paulo e pós-graduado em Fisiologia Hormonal Aplicada. Detém os títulos de Especialista em Dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia, Especialista em Infectologia pelo Hospital do Servidor Público Estadual e Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.