Hormônios e envelhecimento: entenda a relação

Início » Hormônios e envelhecimento: entenda a relação

hormônios e envelhecimento

Qual a relação entre hormônios e envelhecimento? Essa é a pergunta que tentaremos responder nesse artigo, muito embora seja prudente adiantar que a resposta é mais um caminho que um fim.

O envelhecimento é um processo de caráter biológico, cuja característica principal é a perda da capacidade funcional das células e tecidos humanos.

Os hormônios, por sua vez, são substâncias químicas responsáveis por transportar informações entre as células e regular as funções, os órgãos e diversos sistemas do corpo humano.

A partir dos 30 anos, o ser humano começa a experimentar uma queda nos níveis hormonais, o que leva a uma alteração do metabolismo, interferindo nas funções orgânicas e na produção da energia vital.

Para alguns, esse é o fenômeno que determina o envelhecimento, sendo o controle dessas quedas hormonais, através da medicina, a forma mais assertiva de propiciar às pessoas uma vida menos comprometida por esse processo.

Hormônios essenciais no processo de envelhecimento

Com o avanço da idade, o desafio para o ser humano é atenuar o processo de perda de capacidade metabólica e funcional nos mais diversos aspectos, abrangendo o físico, intelectual e sexual, preservando o bem estar.

Um dos hormônios ligados ao envelhecimento é a pregnenolona, responsável pela capacidade cognitiva. É função deste hormônio manter os impulsos nervosos, capacitar a memória, preservar a capacidade de raciocínio e reduzir o risco de demências.

Esse hormônio é essencial, pois está na origem da produção dos demais hormônios responsáveis pelo controle do envelhecimento. Um deles é o DHEA, responsável por modular os hormônios androgênicos, responsáveis por manter o equilíbrio energético do corpo, evitando problemas de fadiga, sono, libido, apatia, infecções ou perda de imunidade.

Há também os hormônios masculino e feminino, no caso do homem a testosterona, que mantêm ativas e saudáveis as funções sexuais, manutenção da massa muscular, melhoram a disposição, reduzem o acúmulo de gordura, a queda capilar e outros problemas. Nas mulheres, os hormônios são o estradiol e seus derivados e a progesterona, sendo que a mulher também produz testosterona, responsável pela libido feminina e outras funções idênticas às observadas no organismo masculino. A perda dos hormônios femininos aumenta a propensão a uma série de complicações, como câncer, osteoporose e doenças cardiovasculares.

Outro hormônio crucial no envelhecimento é o GH, responsável pelo crescimento nas fases mais precoces da vida , na fase adulta destina-se  a retardar o envelhecimento, reduzindo flacidez, rugas e  conservando a massa muscular .

Hormônios e envelhecimento: quem vem primeiro?

Sem dúvida alguma, o homem caminha célere para dominar a receita de uma vida cada vez mais saudável, com cada vez mais bem-estar.

Conclui-se, assim, que retardar os sintomas do envelhecimento não é uma luta que se restringe a uma abordagem meramente estética e sim a um conjunto de medidas que permitam o aumento da longevidade com qualidade, isto é, com saúde e disposição pra aproveitar essa fase da vida.

O objetivo portanto através do equilíbrio entre os pilares fundamentais da alimentação, atividade física regular, controle do estresse e reposição dos hormônios é retardar ao máximo o processo de envelhecimento. Concluindo ser mais importante não a idade cronológica da pessoa mas sim o seu estágio de envelhecimento celular, englobando os diversos sistemas de nosso organismo.

E então, quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como dermatologista em São Paulo!

Postado por Dr. Daniel Stellin | CRM: 111.635

Dr. Daniel Stellin é um dermatologista graduado pela Faculdade de Medicina do ABC-São Paulo e pós-graduado em Fisiologia Hormonal Aplicada. Detém os títulos de Especialista em Dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia, Especialista em Infectologia pelo Hospital do Servidor Público Estadual e Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.