Libido Feminina: Como aumentar?

Início » Libido Feminina: Como aumentar?

libido feminina

Sexo é bom, concorda? Então por que nem sempre as pessoas estão com vontade de praticá-lo? É comum que vez ou outra o indivíduo perca o interesse sexual, até porque, os padrões de libido são diferentes de uma pessoa para outra e determinadas situações podem fazer com que o desejo por sexo diminua temporariamente.

Entretanto, não é normal que alguém nunca queira manter relações sexuais com o parceiro frequentemente. Também não é normal que alguém que antes gostava de sexo e tinha uma vida sexual ativa, de repente passe a não gostar. Nesses casos, estamos diante de quadros de queda na libido passível de tratamento.

A falta de libido é um problema multifatorial que pode ser provocado pela diminuição dos hormônios sexuais femininos. Ela também pode estar relacionada a causas como alimentação inadequada, depressão, tabagismo, alcoolismo, problemas no relacionamento, etc. A boa notícia é que existem maneiras de turbinar a libido e ter uma vida sexual ativa e saudável de volta. Veja só como aumentar a libido feminina!

Testosterona como hormônio chave

Alguns fatores são cruciais para redução desse hormonio na mulher, que apesar de pequena quantidade em relação ao sexo masculino é de fundamental importância. O envelhecimento, o uso de anticoncepcionais ( pela inibição da produção endógena de testosterona, redução de sua fração livre pela elevação do SHBG e pela ação anti androgênica de algumas pílulas como aquelas que contém Ciproterona e Drospirenona).

Outros fatores dignos de nota nesse processo são a obesidade pelo excesso de conversão da Testo em Estrógenos pelo tecido adiposo. O abuso do álcool, drogas e antidepressivos reduzem a libído pela diminuição da produção do neurotransmissor dopamina  e por fim o estresse e uma alimentação inadequada como o consumo excessivo de gordura trans, alimentos ricos em sódio e embutidos.

O corre-corre no trabalho, as pressões familiares, a ansiedade e a preocupação excessiva podem prejudicar a libido. Quanto maior é a sobrecarga, menor é a vontade e a disponibilidade para o sexo. Além disso, o estresse pode aumentar a produção de adrenalina, o que faz com que os vasos sanguíneos se contraiam e dificultem a lubrificação vaginal. Por isso, é importante desacelerar a rotina e reservar um tempo para relaxar.  Esse cuidado pode refletir no apetite sexual.

Faça terapia de modulação hormonal

A terapia de modulação hormonal é uma maneira eficiente de aumentar a libido feminina, afinal, o tratamento é moderno, seguro e inovador e plenamente benéfico para a promoção do apetite sexual. Essa terapia  repõe e equilibra os níveis hormonais através de hormônios bioidênticos, o que turbina a disposição, eleva a autoestima e a autoconfiança, promove o bem-estar, melhora o humor e aumenta o desejo de praticar sexo.

Mantenha a saúde em dia

Para fazer as coisas fluírem na cama, é importante estar com a saúde geral em ordem. Visite o médico com frequência e assegure-se de que seu corpo e mente estão saudáveis, com níveis hormonais equilibrados. Vale destacar que algumas condições clínicas podem reduzir a libido. É o caso da hipertensão, colesterol alto e hipotireoidismo. O uso de antidepressivos e anticoncepcionais também é capaz de diminuir a vontade de fazer sexo. Fique atenta a essas questões!

Pratique exercícios

Praticar atividades físicas otimiza condicionamento, aumenta a energia e pode melhorar a autoestima, o que indiretamente reflete na irrigação e lubrificação genital. Além de exercícios convencionais, é recomendável fazer exercícios pélvicos de relaxamento e contração dos músculos da vagina. Eles podem aumentar o tônus muscular da região, alongar o canal vaginal e deixar o colo do útero mais alto, o que aumenta o conforto durante o sexo, mesmo se a penetração for profunda.

Quer saber mais sobre aumento da libido? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como fisiologista hormonal e dermatologista em São Paulo.

Postado por Dr. Daniel Stellin | CRM: 111.635

Dr. Daniel Stellin é um dermatologista graduado pela Faculdade de Medicina do ABC-São Paulo e pós-graduado em Fisiologia Hormonal Aplicada. Detém os títulos de Especialista em Dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia, Especialista em Infectologia pelo Hospital do Servidor Público Estadual e Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.