Câncer e obesidade: qual é a relação?

Início » Câncer e obesidade: qual é a relação?

obesidade x cancer

A obesidade é um grande problema para o ser humano e pode ocasionar inúmeras doenças que colocam em risco a saúde das pessoas. Esses quilos a mais podem causar uma das patologias mais temidas: o câncer. Alguns estudos apontam que essa condição é o segundo fator de risco para essa doença, atrás apenas do tabagismo.

O excesso de peso ( gordura ) aumenta a inflamação silenciosa do organismo através da elevação de marcadores como interleucina 6 , fator de necrose tumoral alfa entre outros, além de elevar a produção  de insulina, fator que gera  estímulo a multiplicação celular e o surgimento de tumores. Além disso, o excesso de gordura no organismo também pode alterar a produção de hormônios, que também são fatores de risco para o câncer.

O câncer representa a segunda causa de morte no Brasil, com aproximadamente 200 mil óbitos por ano. No que se refere à fração de câncer atribuível ao sobrepeso e obesidade, mais de 5% dos cânceres em mulheres e 2% em homens é atribuível a este fator de risco na população acima de 30 anos de idade no Brasil, conforme informações do Instituto Nacional de Câncer (INCA).

Mas alguns hábitos simples são fundamentais para a prevenção dessa terrível doença.

Alimentação saudável

Muitos estudos indicam que os fatores mais importantes para o aumento do excesso de peso corporal são a prática insuficiente de atividade física e o elevado consumo de alimentos e preparações com alto teor de gordura saturada, gordura trans, açúcar livre, carboidratos de alto índice glicêmico ( má qualidade ) e sal.

Uma alimentação baseada em alimentos processados e ultraprocessado, bebidas açucaradas e alimentos do tipo fast food é composta por elevada concentração dessas substâncias críticas e possui alta densidade energética e, consequentemente, aumento da obesidade.

Estima-se que somente por meio da alimentação saudável, prática regular de atividade física e peso corporal adequado, aproximadamente, 1 em cada 3 casos dos tipos de câncer mais comuns no nosso país possa ser prevenido. Além disso, segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), 13 em cada 100 casos de câncer no Brasil são atribuídos ao sobrepeso e obesidade, sugerindo uma carga significativa de doença pelo excesso de gordura corporal.

As práticas alimentares não saudáveis, assim como a exposição precoce ao sobrepeso e obesidade atuam diretamente sobre o risco de câncer pelo efeito cumulativo dos fatores carcinogênico, um grande exemplo disso é o aumento de incidência no câncer de mama e da sua gravidade em pacientes obesas, que por sua vez apresentam  uma elevação da ação da enzima aromatase, enzima que executa a conversão de androgênios em estrógenos e encontra-se aumentada no tecido gorduroso.

Exercícios físicos

Seguir uma alimentação equilibrada e praticar atividade física regularmente são as principais recomendações para manter o peso adequado e prevenir os cânceres relacionados ao sobrepeso e à obesidade.

O excesso de gordura corporal provoca um estado de inflamação crônica e aumentos nos níveis de determinados hormônios, que promovem o crescimento de células cancerígenas, aumentando as chances de desenvolvimento da doença, segundo os pesquisadores.

A atividade física reduz o risco de câncer de cólon, mama e pulmão – redução que independe do impacto da atividade física no peso do indivíduo. Entretanto, como a atividade física ajuda a manter o equilíbrio entre a ingestão calórica e o gasto energético, evitando o acúmulo de calorias que pode levar ao aumento de peso, indiretamente contribui para a redução dos riscos de cânceres, doenças cardiovasculares e diabetes.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como fisiologista hormonal e dermatologista em São Paulo.

Postado por Dr. Daniel Stellin | CRM: 111.635

Dr. Daniel Stellin é um dermatologista graduado pela Faculdade de Medicina do ABC-São Paulo e pós-graduado em Fisiologia Hormonal Aplicada. Detém os títulos de Especialista em Dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia, Especialista em Infectologia pelo Hospital do Servidor Público Estadual e Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.