5 Benefícios dos Prebióticos

Início » 5 Benefícios dos Prebióticos

prebióticos

Muito se comenta sobre os alimentos probióticos, aqueles que possuem alta concentração de bactérias consideradas “do bem”, capazes de equilibrar a flora do intestino ( microbiota) e, consequentemente, melhorar o funcionamento do órgão. Mas o que poucos sabem é que esses microrganismos apenas crescem e se desenvolvem se houver a presença de um alimento bem específico, o prebiótico.

Esse composto é formado por fibras que o organismo humano não digere por conta própria – por isso, acabam sendo consumidas pelas “bactérias do bem”. Aí que se vê a importância de se consumirem tanto um quanto o outro alimento, uma vez que a atuação de um complementa a função do outro.

Pectina, inulina e fruto-oligossacarídeos (conhecidos pela sigla FOS) são os principais representantes do segundo grupo.

Onde encontrar os alimentos prebióticos?

As fibras dos componentes desse grupo são encontradas, principalmente, nos alimentos de origem vegetal. Cebola, cevada, alho, aveia, banana e até mesmo a batata yacon carregam o composto. A inulina, por sua vez, está presente na alcachofra, na raiz de chicória e nos aspargos.

Laticínios (como leite e iogurte), maçã, frutas cítricas, ervilhas, alho-francês, tomate, kefir, tofu, mel, trigo, soja e lentilhas também são fontes de substâncias desse grupo, mesmo que em menor concentração.

Sendo assim, trazê-los para a alimentação do dia a dia não é tarefa complicada, certo? A seguir, confira quais são os benefícios mais expressivos desse tipo de alimento.

Os 5 benefícios dos alimentos prebióticos

1# Mantém a saúde do intestino em dia

Esses alimentos estimulam o bom funcionamento da microbiota, o que, consequentemente, favorece a saúde do intestino e das funções que ele exerce ( e não são poucas ) .

Com a saúde intestinal em dia, o metabolismo se mantém acelerado e até mesmo o emagrecimento saudável é favorecido.

2# Previne infecções

As “bactérias do bem” criam uma barreira fortíssima de proteção no intestino – e alguns estudos até mesmo já a associam ao combate das células que levam ao desenvolvimento do tão temido câncer de cólon, por exemplo. Esses microrganismos colonizam e cuidam da parede do intestino, o que evita que bactérias patogênicas, ou alergênicas, entrem em contato com o órgão – prevenindo infecções de qualquer origem.

3# Melhora a absorção de gorduras

O intestino em bom funcionamento consegue absorver melhor as gorduras, o que se reflete, ainda, na diminuição dos níveis de colesterol.

4# Diminui o risco de doenças cardíacas e de diabetes

A diminuição das taxas de colesterol levam a outro benefício bem expressivo, a queda nos riscos de desenvolvimento de doenças do coração.

O mesmo também pode ser levado em consideração para as doenças diabéticas, uma vez que o composto diminui igualmente os níveis de triglicerídeos da corrente sanguínea, além  de reduzir a produção endógena de insulina após ingerirmos alimentos derivados de carboidratos, reduzindo os temidos picos de insulina e melhorando a sensibilidade das nossas células à glicose.

5# Aumenta a absorção de minerais e nutrientes

Minerais e nutrientes (tais como ferro, cálcio, magnésio e zinco) também são sintetizados e absorvidos em maior proporção e qualidade pelo intestino, o que dá um up na saúde e melhora o funcionamento do corpo como um todo.

Agora você já sabe o que são alimentos prebióticos e seus principais benefícios.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder os seus comentários sobre esse assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como fisiologista hormonal e dermatologista em São Paulo.

Postado por Dr. Daniel Stellin | CRM: 111.635

Dr. Daniel Stellin é um dermatologista graduado pela Faculdade de Medicina do ABC-São Paulo e pós-graduado em Fisiologia Hormonal Aplicada. Detém os títulos de Especialista em Dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia, Especialista em Infectologia pelo Hospital do Servidor Público Estadual e Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.