Tratamento com Peeling Químico

Início » Tratamento com Peeling Químico

Pele de mulher depois de tratamento com peeling químico

A busca por uma pele lisa e com aspecto jovial faz com que milhares de pacientes, homens ou mulheres, procurem um tratamento com peeling químico. Dermatologistas indicam a sua realização durante o inverno devido a menor incidência solar no período, porém pode tranquilamente ser realizado no verão se os cuidados necessários forem obedecidos.

Entretanto, antes de fazer o tratamento com peeling químico é necessário avaliar a saúde da pele do rosto do paciente, pois, alguns agentes usados no tratamento podem resultar em inflamações e, até mesmo, em manchas escuras irreversíveis.

Por isso, procurar pelo tratamento em consultórios dermatológicos se faz tão necessário. Essa é a especialidade médica capaz de identificar doenças de pele e indicar a abordagem adequada, para posterior realização do tratamento com peeling químico.

Para tornar o entendimento do tema menos complexo, veja as informações cedidas pelo dermatologista Dr. Daniel Stellin.

Quais os peelings químicos usados na atualidade?

Os peelings químicos podem ser divididos em categorias, sendo os peelings superficiais e os profundos. Agindo em profundidades diferentes da pele, eles podem provocar uma renovação cutânea leve ou substancial, como o rejuvenescimento da face de forma expressiva.

Confira abaixo alguns tipos de peeling disponíveis atualmente:

  • Peeling de Fenol;
  • Ácido tricloroacético (ATA);
  • Ácido salicílico;
  • Solução de Jessner e ácido glicólico;
  • Ácido retinoico.

A indicação de um desses ácidos é feita com base na necessidade do paciente, o tipo de pele e demais condições que podem afetar o resultado do tratamento estético.

Qual a melhor época para fazer o tratamento com peeling químico?

O inverno é a estação com maior índice de recomendação para o tratamento com peeling químico. A menor incidência de raios solares colabora no processo de cicatrização da pele da face, sem deixar de mencionar que costuma ser um período em que as pessoas passam mais tempo em casa, devido às temperaturas mais baixas.

Outro ponto a ser destacado é que no inverno começam todas as investidas para um corpo e pele bonitos para desfilar no verão, logo, tratamentos mais invasivos tem maior incidência no período. É necessário evidenciar que alguns desses tratamentos requer cuidados específicos, sendo a não exposição solar obrigatória em vários deles.

Como o ácido do peeling age na pele?

O ácido tem como função causar uma irritação controlada na pele e fazer com que ocorra uma renovação celular. Ou seja, a pele velha é removida e dá lugar a uma cútis nova.

É importante que a administração do ácido seja dosada para que em qualquer reação adversa, o dermatologista consiga reverter a situação. Por isso, realizar o tratamento com peeling químico em consultório e com profissional devidamente gabaritado é de extrema importância.

Passo a passo do peeling químico

Identificado o tratamento com peeling químico a ser feito, o paciente passa por um procedimento de assepsia, que é a limpeza da pele. É necessário remover toda impureza, maquiagem, dermocosméticos e afins antes de aplicar o ácido.

Com o auxílio de uma espécie de pincel, o dermatologista espalha o ácido em uma camada fina, evitando contato com áreas muito sensíveis como: próximos aos olhos e dos lábios.

O produto pode ser aplicado em uma única camada ou ser reaplicado algumas vezes, sendo que isso dependerá da profundidade que o dermatologista deseje atingir. Alguns dos ácidos devem ser removidos após algumas horas de ação, enquanto outros precisam de alguns minutos para serem retirados.

Cuidados após o tratamento de peeling químico

É essencial que o paciente se atente aos cuidados após o tratamento com peeling químico. O dermatologista indicará os produtos que devem ser usados, sendo que o mais importante de todos é o protetor solar.

O peeling causa uma descamação da pele e nesse processo a região fica sensibilizada. Logo, para evitar o surgimento de manchas é mandatório o uso do filtro solar diariamente, reaplicando-o a cada duas horas, em média, bem como uma hidratação adequada da pele.

Sabonetes específicos e hidratantes faciais são recomendados, sendo uma etapa importante no processo de recuperação após o tratamento com peeling químico. Água termal colabora na minimização da sensação de irritação e coceira da pele. Caso queira saber mais sobre o assunto, entre em contato e agende uma consulta com o Dr. Daniel Stellin.

CTA para uma entrevista com o Dr. Daniel Stellin

Fontes:

Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD);

Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP);

Surgical & Cosmetic Dermatologgy.

Postado por Dr. Daniel Stellin | CRM: 111.635

Dr. Daniel Stellin é um dermatologista graduado pela Faculdade de Medicina do ABC-São Paulo e pós-graduado em Fisiologia Hormonal Aplicada. Detém os títulos de Especialista em Dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia, Especialista em Infectologia pelo Hospital do Servidor Público Estadual e Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.