Urticária: Diagnóstico e Tratamento

Início » Urticária: Diagnóstico e Tratamento

Coceira provocada pela urticária

A urticária é uma reação alérgica caracterizada pela coceira e vermelhidão na pele. As lesões da urticária são diferentes das marcas provocadas pela acne ou rosácea. Trata-se de urticas (pápulas) elevadas, circulares, volumosas e demarcadas. Elas são uma combinação de eritemas (vergões vermelhos) com edemas (inchaços).

Esse problema pode ser desencadeado por diferentes fatores, incluindo o efeito colateral de medicamentos, alergias alimentares, picadas de insetos, contatos com alérgenos comuns como pelo de animais, pólen ou látex, estresse emocional, ação do frio ou calor excessivo, imunidade baixa, distúrbios na tireoide, lúpus, HIV, hepatite, etc.

Cerca de 25% da população mundial já teve ao menos um episódio de urticária, ou seja, esse distúrbio de pele é relativamente comum. Tal condição pode surgir repentinamente em qualquer área do corpo, desaparecer espontaneamente, para depois ressurgir em outro local.

Você quer saber um pouco mais sobre essa doença cutânea que provoca tanto incômodo e irritação? Leia o artigo e descubra como é o diagnóstico e tratamento da urticária. Vem comigo!

Diagnóstico

O diagnóstico da urticária é feito pelo dermatologista, com base na análise dos sintomas. As principais manifestações desse problema de pele são os pequenos pontos vermelhos e salientes, além da coceira intensa. Geralmente as erupções têm o formato oval e o tamanho não apresenta grandes dimensões, entretanto, elas podem ser percebidas mesmo de longe.

Normalmente a avaliação sintomática combinada com o exame físico são medidas suficientes para que o especialista diagnostique a doença. O profissional também pode solicitar testes laboratoriais e exames de pele para excluir outras possibilidades. É comum que o médico dermatologista faça perguntas sobre a frequência, duração e recorrência das lesões, histórico familiar e alergias confirmadas antes de fechar o diagnóstico.

Tratamento

Em caso de urticária leve, é possível que os sintomas desapareçam naturalmente e rapidamente, sem qualquer tratamento específico. Entretanto, se a urticária é intensa e duradoura, o ideal é recorrer ao dermatologista para dar início à abordagem terapêutica adequada.

O protocolo para tratar a urticária inclui o uso de medicamentos anti-histamínicos como os de primeira linha, entre outros. Somente o especialista pode indicar o melhor tipo de fármaco, a dosagem segura e a duração ideal do tratamento. Evite a automedicação!

Quando a reação alérgica é muito grave, com presença de dor e inchaço na garganta, pode ser necessário tomar injeção emergencial de corticoesteroides ou adrenalina. Esse tipo de complicação, quando não é devidamente tratada, pode levar a problemas como bloqueio das vias respiratórias.

Medidas complementares

Algumas ações complementares podem atuar como coadjuvantes no tratamento da urticária, aliviando os sintomas e acelerando a recuperação do paciente. Vale a pena realizar compressas de água fria sobre a pele, se distanciar de agentes desencadeadores de reações alérgicas, não estimular as lesões  procurando coça-las o mínimo possível e usar roupas leves, folgadas e confortáveis, preferencialmente de algodão. Fuja das peças justas e sintéticas.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre esse assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como fisiologista hormonal e dermatologista em São Paulo.

Postado por Dr. Daniel Stellin | CRM: 111.635

Dr. Daniel Stellin é um dermatologista graduado pela Faculdade de Medicina do ABC-São Paulo e pós-graduado em Fisiologia Hormonal Aplicada. Detém os títulos de Especialista em Dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia, Especialista em Infectologia pelo Hospital do Servidor Público Estadual e Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.