Para quem o Peeling Facial é indicado?

Início » Para quem o Peeling Facial é indicado?

peeling

O pelling facial é uma técnica não cirúrgica que confere ao rosto do paciente uma aparência mais jovem e bem tratada através do tratamento da pele.

Após a realização do procedimento a pele fica mais macia, lisa, sem manchas e rugas, com aspecto mais jovem e suave. Esse resultado só é possível, porque a técnica estimula a produção de colágeno e elastina. Essas proteínas são as que agem na pele, conferindo-lhe elasticidade e firmeza, mas com o tempo essas substâncias são produzidas de forma insuficiente, o que leva a envelhecimento.

Trata-se de uma técnica com vários tipos diferentes de abordagem. Caberá ao médico alinhar o tratamento com as características da pele do paciente e seus objetivos.

O tratamento promove um processo de esfoliação, que acarreta a descamação da pele. Através da técnica do peeling facial, as células mortas são removidas, o que permite a regeneração da derme.

Quanto aos tipos de tratamento, podem-se atingir camadas distintas da pele, com intensidade, profundidade e concentração diferentes, de acordo com o objetivo do tratamento. O tratamento ocorre na epiderme e na derme, respectivamente, a camada mais superficial e a camada intermediária.

Quando direcionado à epiderme, o alvo são as imperfeições externas. Em caso de abordagens mais profundas, o tratamento atinge também a derme.

Em resumo, trata-se de uma abordagem essencialmente estética, ligada à recuperação da autoestima da paciente. Desse modo, o público que se submete ao procedimento é composto essencialmente por mulheres que desejam rejuvenescer através de um tratamento não invasivo. Mas qualquer pessoa que deseje fazer tais aplicações e mudanças estéticas, pode procurar um especialista.

Tipos de peeling

Há três possibilidades diferentes de tratamento: químico, físico e a laser. A escolha da melhor abordagem é feita a partir do estudo do tipo de pele do paciente, as alterações encontradas, a coloração e os objetivos acertados com o dermatologista.

Na prática, a diferença entre os vários métodos é a forma como se dá a descamação da pele. Confira quais são:

Químico

Nessa abordagem a descamação é feita com a utilização de ácidos. São eles os ácidos retinoico, hialurônico, salicílico, glicólico e fenol, cuja escolha está relacionada ao tipo de pele.

Na abordagem superficial, o produto químico produz uma fina descamação, que recompõe a estrutura tecidual. Assim, melhora a aparência, através da redução de rugas finas e manchas( principalmente o melasma). Além disso, a pele ganha firmeza, por conta da indução à produção do colágeno, também é possível corrigir rugas finas e uniformizar o tom da pele.

A abordagem média é mais agressiva e tem como alvo a aspereza da pele, cicatrizes, rugas mais pronunciadas e acne. A renovação das células acontece no nível intermediário da pele.

O mais profundo promove uma descamação mais espessa, o que implica tempo maior de recuperação, mas os resultados são mais evidentes.

Físico

Nesse caso a esfoliação é feita através de processos mecânicos, usando cristal ou diamante para lixar a pele de forma sutil para a remoção das células envelhecidas. Com isso, novas camadas de célula surgem, melhorando a circulação e estimulando a produção do colágeno.

 Laser

É o método mais recente e bastante eficaz nos resultados produzidos. Em compensação, as manchas vermelhas da esfoliação permanecem no rosto por mais tempo, sendo o tempo de recuperação da pele um pouco mais demorado.

O peeling à laser pode atingir todas as camadas da pele e consegue melhores resultados na reativação da produção do colágeno. A atuação é direto no tecido, através do feixe de luz.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como fisiologista hormonal e dermatologista em São Paulo.

Postado por Dr. Daniel Stellin | CRM: 111.635

Dr. Daniel Stellin é um dermatologista graduado pela Faculdade de Medicina do ABC-São Paulo e pós-graduado em Fisiologia Hormonal Aplicada. Detém os títulos de Especialista em Dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia, Especialista em Infectologia pelo Hospital do Servidor Público Estadual e Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.