Pré e probióticos, o que devemos saber

Início » Pré e probióticos, o que devemos saber

probióticos

Quando pensamos em bactérias, geralmente, temos o objetivo de evitá-las, uma vez que elas são sinônimos de doenças. Porém, nem todas são prejudicais. As bactérias do intestino humano são fundamentais para a digestão e o funcionamento do organismo. Alguns produtos, alimentos pré e probióticos, ajudam na manutenção desses microrganismos essenciais para o ser humano.

Os probióticos são compostos por microrganismos vivos que, administrados em quantidades adequadas, conferem benefícios à saúde de quem os ingere. Já os prebióticos, ou componentes não digeríveis que estimulam a proliferação ou atividade de populações de bactérias desejáveis no intestino (cólon), beneficiando o indivíduo hospedeiro que possua essas bactérias.

A ingestão desses alimentos tem sido recomendada por muitos especialistas. Esses produtos trazem muitos benefícios para o organismo como, por exemplo, a redução do colesterol, a diminuição do risco de câncer de cólon e o controle da pressão arterial, melhora no metabolismo dos carboidratos com redução no risco de diabetes .

Apesar dos nomes parecidos, os probióticos e prebióticos não são a mesma coisa. Vejam algumas particularidades desses produtos.

Onde esses alimentos são encontrados

Os probióticos são geralmente encontrados em produtos lácteos como iogurte e leite fermentado. As mais conhecidas bactérias que exercem essa função são as Bifidobacterium e Lactobacillus, em especial Lactobacillus acidophillus. Elas agem produzindo compostos como as citoquinas e o ácido butírico que são antimicrobianos e antibacterianos.

Por sua vez, os prebióticos são fibras e elas não são digeridas por bactérias intestinais. Por isso, ao chegarem intactas nos intestinos, elas estimulam a proliferação das bactérias benéficas. Alguns exemplos de onde encontrá-los frutoologosacarídeos (FOS) e a inulina(alcachofra). Os FOS são obtidos a partir da quebra da inulina.

Os frutooligosacarídeos são encontrados em alimentos de origem vegetal, como cebola, alho, tomate, banana, cevada, aveia, trigo, mel e cerveja. A inulina é um polímero de glicose extraído principalmente da raiz da chicória. Ela se encontra também em alho, cebola, aspargos e alcachofra. A inulina extraída da chicória é produzida comercialmente e pode ser consumida por diabéticos como substituto do açúcar.

Vale destacar que os prebióticos são mais facilmente encontrados que os probióticos.

Benefícios

Como já dito, os prebióticos melhoram o funcionamento do intestino e os riscos de infecções, mas esses não são os únicos benefícios. Eles também ajudam a diminuir a absorção de gorduras pelo intestino, diminuindo assim o colesterol total e aumentar a absorção de minerais como cálcio, ferro, zinco e magnésio.

Já os probióticos são usados para prevenir e tratar doenças, além de serem imunoestimulantes, pois melhoram a absorção de nutrientes. Essa substância aumenta a quantidade de células protetoras, deixando o organismo mais forte e saudável, melhorando o sistema imunológico.

Além disso, pesquisadores da Universidade de Oxford descobriram que estimular o crescimento dessas bactérias boas pode auxiliar na redução do estresse e da ansiedade, na medida em que o sistema intestinal funciona como um “segundo cérebro”, muitas vezes refletindo um estado emocional; aumentando a produção de substâncias neurotransmissoras que reduzem a insônia e chance de depressão por exemplo.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como fisiologista hormonal e dermatologista em São Paulo.

 

Postado por Dr. Daniel Stellin | CRM: 111.635

Dr. Daniel Stellin é um dermatologista graduado pela Faculdade de Medicina do ABC-São Paulo e pós-graduado em Fisiologia Hormonal Aplicada. Detém os títulos de Especialista em Dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia, Especialista em Infectologia pelo Hospital do Servidor Público Estadual e Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.