Tratamentos para Melasma

Início » Tratamentos para Melasma

Mulher segura lupa na pele para detectar sinais que indiquem a necessidade de tratamentos para melasma

O melasma é caracterizado pela presença de manchas amarronzadas no rosto e, em casos mais raros, no colo, pescoço e até mesmo nos braços. Por tratar-se de uma condição bastante comum, existem atualmente diversos tratamentos para melasma que são capazes de melhorar a aparência da pele.

A indicação dos tratamentos para melasma é realizada com base no quadro de cada paciente. Dessa forma, o dermatologista analisa tanto as manchas em si quanto o estado de saúde geral do indivíduo, identificando se o paciente possui um ou mais dos fatores de risco envolvidos na gênese do processo.

No geral, os fatores desencadeantes do melasma são:

  • Gestação;
  • Herança genética;
  • Distúrbios da tireoide;
  • Exposição solar sem a devida proteção;
  • Utilização prolongada de anticoncepcionais;
  • Gênero (o melasma é mais comum nas mulheres sendo de 80 a 90% dos casos, principalmente naquelas em idade reprodutiva).

Com base no diagnóstico, o dermatologista definirá qual é a melhor conduta para tratar o melasma. Confira a seguir quais são os tratamentos disponíveis para o melasma conforme orientação do dermatologista Dr. Daniel Stellin.

Quais são os tratamentos para melasma? 

Os principais tratamentos para melasma são:

Cremes

A utilização de cremes é uma das abordagens mais comuns no tratamento do melasma. Os cremes agem diretamente nas etapas de transmissão de melanina ao melanócito — células responsáveis pela produção da melanina, que determinam a pigmentação da pele — por conta do efeito clareador da hidroquinona ou outros ácidos clareadores, substâncias presentes nesses cremes.

A frequência será definida de acordo com a gravidade do caso. Após 3 meses, é indicado substituir o tratamento realizado com hidroquinona por outros princípios ativos, como é o caso dos alfas hidroxiácidos e retinoide. Vale a pena ressaltar que este é um tratamento a longo prazo, portanto, para ter resultados com mais agilidade é necessário recorrer a outras abordagens.

Microagulhamento

Os tratamentos para melasmas feitos com microagulhamento têm por objetivo estimular os fibroblastos, que são as células responsáveis pela produção de colágeno.

O procedimento é realizado por meio de um sistema de rolamento com microagulhas que fazem finas perfurações na pele que se fecham em poucos minutos. O paciente deve estar sob anestesia local e os resultados podem ser observados entre dois a três meses.

Laser

Este é um dos tratamentos mais intensos para as manchas do melasma. Por conta disso, só é adotado em casos graves quando as demais abordagens terapêuticas não oferecerem o resultado desejado.

O laser libera ondas de calor na região tratada, destruindo a pigmentação em excesso. A quantidade de sessões necessárias para tratar o melasma dependerá das particularidades do caso.

Peeling químico

O peeling químico promove a descamação da pele por meio da combinação de uma série de ácidos. O procedimento pode ser realizado na camada superficial (epiderme) da pele, e o número de sessões varia  de acordo com a intensidade do quadro.

O resultado do tratamento do melasma feito com peeling químico é uma pele renovada e com tom uniformizado, além da melhora de cicatrizes e rugas finas.

Os tratamentos para melasma devem ser acompanhados por vários cuidados diários, que ajudam a manter o resultado por mais tempo e contribuem para uma pele mais saudável. Um dos principais cuidados é a fotoproteção com filtros solares de alto fator de proteção. Caso queira tratar o melasma, entre em contato e agende uma consulta com o Dr. Daniel Stellin para descobrir qual tratamento é o mais adequado.

CTA para uma entrevista com o Dr. Daniel Stellin

Fontes:

Clínica de dermatologia Dr. Daniel Stellin;

Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD);

Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica (SBCD).

Postado por Dr. Daniel Stellin | CRM: 111.635

Dr. Daniel Stellin é um dermatologista graduado pela Faculdade de Medicina do ABC-São Paulo e pós-graduado em Fisiologia Hormonal Aplicada. Detém os títulos de Especialista em Dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia, Especialista em Infectologia pelo Hospital do Servidor Público Estadual e Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia.